Fake News: saiba como elas podem afetar suas estratégias de marketing - Anuncie com a FolhaPE ADS - Blog e Serviços
Blog

Fake News: saiba como elas podem afetar suas estratégias de marketing

outubro 23, 2018
Tempo de leitura 6 min

Fake news são conteúdos noticiosos na forma, mas inverídicos no seu teor. Fundamentalmente propagadas em redes sociais, onde viralizam com facilidade, essas notícias estão ligadas a práticas obscuras como disseminação de spam, vírus ou caça-cliques.

Sobre as notícias falsas, como são chamadas em bom português, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) divulgou recentemente um estudo alarmante: elas se espalham em redes sociais 70% mais rápido do que uma notícia verdadeira.

As empresas, independentemente do porte ou segmento, terão a sua reputação manchada se atingidas por esse tipo de conteúdo. Por isso, é muito importante que os profissionais de marketing estejam atentos ao ambiente virtual. Continue a leitura deste post para saber como evitar essa ameaça!

Características das fake news

O terreno onde as notícias falsas proliferam é o feed de notícias das redes sociais, principalmente o Facebook, por ser a maior do mundo.

Para que elas consigam cumprir com o seu objetivo de viralizar, precisam encontrar um local em que existam pessoas dispostas a disseminar o conteúdo falso, sabendo ou não de que se trata de uma farsa.

Assim sendo, a principal característica das fake news é o estilo noticioso, ou seja, elas se parecem com uma notícia, tal qual estamos acostumado a ver divulgadas por portais idôneos como a Folha PE.

Também se caracterizam por tratar de assuntos que causam muita comoção, o que amplia e potencializa o seu alcance. A abordagem — bastante direta, objetiva e alarmista — acaba convencendo justamente pelo tom definitivo. Afinal, para convencer, uma mentira não pode dar margem à dúvida.

Embora existam sites já identificados como propagadores de notícias falsas, nem sempre elas partem de postagens: pode ser apenas uma publicação de alguém mal intencionado ou desinformado, ou mesmo uma mensagem viralizada pelo WhatsApp.

Como identificar uma notícia falsa

Se você se deparar no seu feed com alguma notícia bombástica que pareça incrível demais para ser verdade, desconfie. Faça o mesmo para todo tipo de denúncia grave, já que em alguns casos elas não passam de tentativas de desmoralizar a vítima.

Entretanto, desconfiar não basta, afinal, nem sempre é possível reconhecer imediatamente se uma notícia não passa de uma mentira bem contada. É o caso dos conteúdos falsos veiculados em sites que parecem portais de notícias. Nesse caso, você deverá atentar aos seguintes detalhes:

  • anúncios caça-cliques com o tema “monetização”;
  • autores desconhecidos e sem referências, ou ausência de autoria;
  • ausência de canais de contato, como telefone ou endereço físico;
  • domínio .org ou .com;
  • ausência de uma seção dedicada a identificar seus realizadores;
  • conteúdo essencialmente opinativo, sem dados estatísticos confiáveis;
  • nome e aparência similar a de portais já conhecidos.

Recentemente, o Facebook eliminou um total de 196 páginas dos seus registros depois de confirmar que se tratavam de propagadores de fake news ou de conteúdo polêmico. Muitas delas tinham temática política, embora os tipos de conteúdo fossem relativamente variados.

Uma parte, por exemplo, usava o humor como forma de disfarçar o real propósito, que era a divulgação de notícias falsas como veículo para difamar ou fazer denúncias inverídicas. Como se vê, o assunto é bastante sério e exige cautela redobrada por parte de quem trabalha com marketing e precisa manter sempre elevada a reputação de uma marca.

De que forma essas notícias atingem as marcas e suas reputações

As notícias falsas podem causar estragos cuja reparação pode ser muito lenta, no caso de empresas com renome. Um exemplo de como as fake news podem ser devastadoras até mesmo para gigantes é o caso de um suposto rato encontrado dentro de uma garrafa de Coca-Cola.

Entre os anos de 2003 e 2014, a multinacional de bebidas se viu às voltas com a justiça para dar explicações sobre como um roedor teria parado dentro de uma de suas embalagens.

Depois de anos de audiências em tribunais e de uma forçada readequação dos seus processos de fabricação, o caso foi finalmente encerrado. Tudo porque a corte responsável por julgar o caso descobrir que o “rato” não passava de uma farsa.

Se para uma empresa do tamanho da Coca-Cola uma notícia falsa pode ser motivo para uma dor de cabeça gigantesca, imagine para empresas menores?

Tendo em vista a ameaça que as fake news representam, já existem profissionais e segmentos da mídia online especializados em fact-checking, como a Agência Lupa, vinculada à revista Piauí.

O que empresas não midiáticas poderiam fazer para evitar os danos à reputação — muitas vezes irreparáveis — causados por um boato ou uma mentira propagada como notícia?

Como se proteger

Diante da ameaça das fake news, cabe às empresas e principalmente aos seus profissionais de marketing redobrar a atenção com o que sai nas mídias digitais.

Uma maneira simples e rápida de monitorar o que é dito sobre um negócio na internet é assinar o serviço Google Alerts. Ao aderir, você recebe no seu e-mail avisos sempre que o termo escolhido for citado na web.

Como não é possível prever uma ação baseada em notícias falsas, a única maneira de evitar os estragos causados à credibilidade é agir muito rapidamente. Além dos alertas e do monitoramento constante, é fundamental associar a sua marca a empresas, sites e portais com ampla aceitação e reputação inquestionável.

Nesse aspecto, anunciar por meio de conteúdo patrocinado em portais como a Folha PE é muito mais seguro do que investir em anúncios em mídia programática. Embora sejam efetivos, com eles sua marca corre o risco de aparecer não apenas em portais de notícias falsas, como em sites que disseminam ódio, violência e conteúdos impróprios. Não por acaso, o prestígio de meios de comunicação tradicionais vem aumentando.

Independentemente disso, as notícias falsas são um problema para o qual ainda não existe prevenção — pelo menos não no sentido de evitar as fake news. Para minimizar as chances de um ataque, invista sempre em materiais de qualidade, aja com rapidez e associe a sua marca a outras de reputação igual no mercado.

As notícias falsas não deixam de ser um reflexo de um outro fenômeno, ligado à evolução tecnológica e à consolidação da internet. Estamos falando da era digital, nossa sugestão de leitura para você se aprofundar ainda mais no assunto!

Você também pode gostar

Scroll Up