Dia Publicitário: oportunidades e desafios da profissão - Anuncie com a FolhaPE ADS - Blog e Serviços
Blog, Destaque da Semana

Dia Publicitário: oportunidades e desafios da profissão

fevereiro 7, 2019
Tempo de leitura 6 min

Celebrado em 1º de fevereiro, o Dia do Publicitário foi instituído junto à promulgação do Decreto de Lei nº 57.690/66. Foi nesta data, há exatos 53 anos, que era regulamentada esta importante profissão. É tarefa do especialista em publicidade, entre outras, criar peças que sirvam para divulgar marcas, produtos e serviços, em caráter comercial ou institucional.

Isso nos permite dizer que a função do publicitário, na sociedade como um todo, é cercada de muita responsabilidade. Não por acaso, existe um órgão exclusivo para regulamentar toda e qualquer propaganda veiculada na grande mídia, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR).

O especialista em propaganda deve se manter sempre à frente em relação às práticas profissionais, gostos e tendências de seu tempo. Esse é um dos desafios desta fascinante profissão, ainda incompreendida e, talvez por isso, tão glamourizada. Sendo ou não a sua impressão, continue lendo para saber como o publicitário moderno pode se posicionar em um mercado extremamente concorrido.

O uso de dados em massa

Já vai longe o tempo em que a estrutura de uma agência de publicidade se pautava no tripé Atendimento/Criação/Mídia. Embora ainda sejam pilares nesse tipo de empresa, o que se percebe, hoje, é a presença marcante de setores destinados a outros tipos de abordagem. Não por acaso, está cada vez mais em voga o termo “dataísmo”, que faz referência ao uso de Big Data e Inteligência Artificial para pautar estratégias antes da elaboração de campanhas e peças. Portanto, além do tradicional briefing do cliente, o publicitário de hoje precisa saber trabalhar com dados em grandes volumes e com anúncios digitais.

Em contrapartida, a escalada tecnológica impõe a necessidade de preservar valores que ainda fazem muita diferença. Afinal, não há campanha publicitária que dê resultado se não for direcionada para a nossa gente.

O ideal é equilibrar o uso dos recursos tecnológicos, que de fato elevam a qualidade, com uma linguagem que se aproxime do público. Por mais que os métodos e ferramentas mudem, nada altera o fato de que a propaganda consiste em pessoas falando para outras pessoas.

As mudanças nos hábitos de consumo

Se as ferramentas e métodos de trabalho mudaram, o mesmo aconteceu com a figura mais importante para o publicitário, o consumidor final. Embora o cliente que paga pelos anúncios (quase) sempre tenha razão, é para o bom atendimento ao público que todos os esforços devem convergir.

De qualquer forma, o que se pode dizer sem medo de errar é que a internet provocou mudanças profundas na forma como as pessoas pesquisam preços e fazem compras.

Isso porque a expansão do uso de dispositivos móveis empoderou o consumidor de uma maneira inimaginável. Considerando os tempos em que as fontes de informação eram as páginas de jornais, revistas, anúncios na TV ou as Páginas Amarelas, o salto foi gigantesco.

De tão importante, o consumidor passou a ter até o pomposo sobrenome de omnichannel,cuja característica marcante é ser extremamente antenado e volátil. Usa, ao mesmo tempo, telefone, redes sociais e aplicativos de conversação para se informar e fechar negócio. Não se furta de pesquisar em casa e, se necessário, ir à loja conferir se o que viu na internet corresponde às imagens e descrições virtuais.

Para o publicitário, lidar com esse consumidor é também um desafio. Embora o cliente bem informado seja o ideal, isso significa uma postura ainda mais exigente. Por isso, toda atenção é pouca para não errar.

A relação das pessoas com as marcas

Já que o consumidor final está podendo, então é natural que as marcas precisem se posicionar, de maneira a serem percebidas positivamente. Não basta apenas mostrar que tem um bom produto ou que presta serviços com excelência. As pessoas buscam satisfazer suas necessidades, e, não menos importante, experiências enriquecedoras.

Nesse sentido, as marcas deixam de ser as guardiãs da qualidade de vida, para se tornarem uma espécie de embaixadoras do bem-estar. Em outras palavras, se há alguns anos você matava sua sede bebendo Coca-Cola, hoje você sabe que pode fazer isso consumindo menos açúcar, se optar pela versão light da bebida.

Em uma relação de consumo não linear e sujeita a tantas variáveis, é dever do profissional de propaganda zelar pela ética, no Dia do Publicitário e em todos os outros 364 dias do ano. Isso implica respeitar o espaço dos concorrentes e procurar, sempre, enaltecer as qualidades do que o seu cliente tem para vender.

Busca incessante por novas ideias

A criatividade está no DNA de todo publicitário. Felizmente, o atual estágio em que as agências e empresas se encontram permite uma expressão ainda mais livre do impulso criador. Ferramentas baseadas em cloud computing e softwares de edição de imagem e som cada vez mais leves e portáteis são alguns dos facilitadores.

Por outro lado, ainda se percebe no contexto das agências que a falta de diálogo dá a tônica da nem sempre tranquila relação com as empresas que as contratam. Tal como o consumidor omnichannel, elas encontram-se cada vez mais empoderadas. Entre as possíveis razões para isso pode-se apontar a dependência das agências em preservar as contas de seus clientes custe o que custar e a própria instabilidade da economia.

Na ponta dessa relação está o publicitário, com suas ideias que nem sempre podem ser expressadas, não raramente por puro capricho de terceiros. Ao mesmo tempo, sem novas ideias, ele corre o risco de ficar para trás, e por um motivo óbvio: em propaganda, só o novo causa impacto.

Exercitar o poder de negociação

Sendo assim, o mais indicado é desenvolver a capacidade de dialogar construtivamente. Em muitos dos casos, vale mais a forma como se expõe uma ideia do que o seu conteúdo em si.

Nesse sentido, vale a pena exercitar o lado Relações Públicas, para direcionar o relacionamento com os clientes da melhor forma. Tudo fica mais fácil quando existe capacidade de assimilar o ponto de vista do outro para fazer um trabalho melhor.

No Dia do Publicitário, temos a oportunidade de fazer uma reflexão sobre o significado da profissão, agora e no futuro próximo. Daqui em diante, todo dia de trabalho será uma oportunidade para uma mudança verdadeira. Isso depende, no final, de que todos façam a sua parte. E você, está satisfeito com os rumos do mercado publicitário?

Se a sua empresa está em busca de uma parceria para agregar credibilidade às suas campanhas, faça contato conosco agora mesmo e apareça com destaque!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up